Não entendeu?

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Ela estava ali...

A encontrei por acaso.. e quando menos percebi,
Ela estava ali... em todos os lugares que passava
passei a notar que ela sempre estava ali...

Nas nuvens desenhadas pelo vento,
na chuva que caía agressiva...
Na brisa que sopra em desalento,
nas luzes que brilham na avenida...

Na grande montanha iluminada pelo sol,
Nas cores que ofuscam meu lado mal...
Na vida corriqueira e casual,
na alegria de uma manhã em alto astral!

Quando ouvi aquela velha canção, ela estava ali...
Quando observei quão belas as pessoas são,
ela estava ali...
Quando sorri por besteiras e coisas amenas,
lá estava ela...
Quando viajei pelo mundo sem sair de casa,
ela estava ali,
encubada em minha mente pequena....

Quando nossa música tocou, ela estava ali
quando a minha voz falhou, foi a dela que ouvi...
Quando o olhar me entregou... é, ela estava ali...

Quando sorri desajeitado, ela estava do meu lado...
Quando caí, tão desastrado, queria ela ali me chamando de retardado...
Quando andei apressado, ela estava ali...
E quando enfim respirei aliviado, é, ela estava ali...

Quando olhei as estrelas cruzando as galáxias, ela estava ali...
e ao reconhecer constelações no frio da madrugada, foram os olhos dela que vi...
Quando surtei, desesperado, só melhorei ao me lembrar de vê-la sorrir...


... acordei de um sonho bom
e me dei conta de que... na verdade, ela nunca esteve aqui...
... apenas ali.
(...)

Guilherme Marcus Moreira


terça-feira, 27 de agosto de 2013

Só pra tu saber...

Tô aqui só pra tu saber que às vezes eu gosto, saca?. 

Ah, cara! Tu chegou do nada e me trouxe uma paixão completamente fora da lógica. Não foi tipo aqueles amores que começam só porque um ama o jeito do outro tratar ou o jeito do outro fazer sorrir. Não... Tu não chegou desse jeito. 
Tu chegou como quem não quer nada e é estrada pra lugar nenhum. Tá ligada? 
Não tenho motivo algum pra te amar e é justamente por isso que te amo. Você é completa e eu sou uma peça quebrada de um quebra cabeças tentando me encaixar de novo no meu jogo, mesmo sendo impossível.
E me deixa mais puto da vida saber que você consegue ser mais rua sem saída que eu... Tu é o desconhecido pra mim, um desafio. E eu amo isso! (mesmo odiando) 
O jeito que o teu jeito de desafio me desconcerta, às vezes eu gosto disso, sabe? Só às vezes, porque o jeito que tu desarma o meu orgulho e meu jeito duro de não me permitir apaixonar perdidamente, isso me assusta.
Tu me bagunça tanto que me faz pensar em te querer longe, mas quando penso em te afastar... me lembro que nunca fui tão organizado assim e que a culpa disso é tua.
É como se fosse impossível amar te ter por perto e mais impossível ainda amar te ter longe. 
Tu é um jogo que eu não sei dar game over e eu odeio perder, mas amo me perder em você...


Escrito por - Rafaella Kristinne
Adaptado por - Guilherme Marcus

terça-feira, 23 de julho de 2013

...

Ela levanta cedo, todo dia, sem exceção
guarda suas mágoas e coloca os pés no chão...
Sente a rotação da terra, pela ponta de seus dedos
e vê que o mundo é tão mais belo,
quando não se sente medo....

E aí ela dança, dança sem parar
dança pequena... dança com aquele brilho no olhar...  
aquele mesmo olhar, que me fez apaixonar...
Então dança garota, me faz delirar,
cair na luxúria até o corpo bambear...
Pois em cada movimento teu, ameaça o mundo a parar
e só de ver esse teu sorriso lindo,
viajo pra anos-luz desse lugar...

Lá pra onde é calmaria,
onde não existe o "tão longe..."
lá pra onde vejo teu espetáculo, noite e dia
não importando como ou onde...

Dança pequena, pois tua arte é única no mundo
dança acompanhando a lua e as estrelas
em suas fases mais tristes e belas
dança pequena,
transparecendo toda a tua leveza,
tua leveza, beleza... teu tudo.


Guilherme Marcus Moreira

sexta-feira, 28 de junho de 2013

Aos que se foram...




(...)



à vocês que não estão mais aqui

desejo apenas que sejam felizes
aonde estiverem, realmente, sejam felizes

à vocês que partiram por vontade própria

que fugiram de minha ignorância e de minha má fé
desejo que encontrem conforto em outros braços e abraços

à vocês, que se iludiram com minha aparência,
com meus textos e poemas, outrora profundos e apaixonados
paixão que não durou por muito... paixão que morreu do outro lado

à vocês que sentiram que não daria certo a convivência
aos amigos e amigas que se foram por proteção
às namoradas e amantes que se afastaram por preferirem uma vida normal
que uma vida suja ao lado de mais um imoral...

Desejo sorte, desejo paz, fortuna e paixão...
desejo saúde, desejo tranquilidade, desejo-lhes, tesão...

Desejo que o mundo não lhes coma vivos,
ou que não se precipitem a devorar o mundo
que apesar de vasto, é também imundo...
Imundo como sou e sempre fui...

E aos que clamam e reclamam pela liberdade que não têm,
aceitem minhas condolências, pois afinal... eu a tenho.

Guilherme Marcus

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Verbalizar



Falar... pensar, agir...
soltar o verbo, não calar, não fugir
Querer, pular, correr, gritar
cansar, deitar, dormir...

Levantar, ler, desenhar, fumar...
Pensar, pensar nela, imaginar...
Fumar, beber, trincar...

pois é...  dilatar...

Prolixar sem parar,
acampar, viajar, rodar e rodar...
Pedir carona, observar,
reparar, detalhar, escrever e anotar...

Organizar, revisar, poematizar...
Parar no sinal, avançar o sinal,
ligar o tal do foda-se, acelerar...

Acelerar a mente, as ideias e tudo o mais
calar-se em frente ao tudo, observar o céu azul
tentar contar as estrelas, do norte ao sul...

Beber, beber, beber mais...
fumar de novo, trincar em paz...
Falar, falar ao povo, que a vida não é mais..

(...) vida...

viver, respirar, sair, falar, se expressar, sentir...
enfim...

Feliz da vida... aquele que não sabe viver...

Guilherme Marcus Moreira.

sexta-feira, 17 de maio de 2013

''

juro o tempo de minha vida 
uma única vez co'a tal menina 
levou-me por completo a delirar 
inteiro já tomado da louca vontade 
arrumava a desculpa para a esbarrar 
nada interessava, ficando até mais tarde 
ainda sinto o gosto do acaso de a encontrar


- Guilherme Marcus Moreira

terça-feira, 9 de abril de 2013

Frio...


(...)

Nada lhes passava pela mente, exceto,
de que estavam aonde queriam e com quem queriam...
Bem próximos... Ele sentia a respiração dela, e ela, a dele...
Os dois se abraçavam, riam, se esquentavam, se curtiam...

Duas pessoas, dois olhares, dois sentimentos...
Uma blusa... Frio...
Sentimentos sem nome, sentimentos estranhos... Estranhamente perfeitos...

Como se a noite mágica agora fizesse parte do mundo real...
Uma viagem além dos pensamentos, onde nada é preocupação...
Onde tudo é diferente...

Um momento de sonho na realidade...
Sonhando acordados?
Não... O frio é bem real... Os sentimentos também...
Há vontade de ter, mas o medo... O maldito medo...

Sentimentos se misturando com o ar nebuloso da respiração...
Seus medos se perdendo junto da razão...
Lábios bem próximos... Olhos se encarando...
Uma noite de sonhos... que não passaria em branco...

Nada os faria parar, nada os faria desgrudar...
Não fosse o chamado da realidade... "É hora de partir"...
Ambos não queriam... Ambos persistiram...
Frio... Desejo, Paixão...

Uma noite que jamais esqueceriam...


Guilherme Marcus Moreira

 

© 2011 Hermit Modern |