Não entendeu?

sábado, 21 de abril de 2012

Aquela menina...


Ela é meiga com seu jeito,
Linda como nenhuma outra,
Perfeita como não tem direito,
chatinha em uma ou outra coisa...

Ela, sem saber, conseguiu me seduzir
e eu, tolo, gamei em seu olhar,
passei a tarde pensando em a ter aqui,
mas acabei sozinho, nada a declarar...

mas ela é tão linda...

De mim ela nem deve se lembrar
e eu aqui pensando nela,
pensando em como sorriu pra mim
e em cada detalhe do corpo dela...

Acabo por aceitar quem eu sou
e que talvez nunca a tenha aqui...
Acabo por entender onde estou
e que ela, talvez, seja demais pra mim...

mas ela é tão linda...

e por isso não posso fraquejar.
Mas tenho medo de me enganar,
que ela seja somente mais uma
e que depois eu venha a desabar

Quantas vezes isso acontece na vida?
Um sentimento que surge por olhares,
quantas vezes a procurei, nem vi saída
e me perdi pelas ruelas da cidade...

mas ela é tão linda...

E isso me faz pensar,
pode a perfeição criar vida e andar?
e nada vai me fazer mudar,
quero ela e é nisso que vou me focar...

inaceitável a idéia de que está sozinha...
inaceitável o porque de eu não a ter...
inaceitável essa vida sem texto e prosa...
inaceitável sem ela ter que viver...

porque ela é tão linda...

 Guilherme Marcus Moreira

sábado, 7 de abril de 2012

A última vez...


...
As pessoas não procuram mais os amores estonteantes, a paixão sincera e ardente... Aquele amor que pede coragem e que traz vontade e desejo. 
Dor e amor, unidos... sofrido, agoniado, bravo e furioso – maravilhoso!
Armado pela ardilosa mente humana – guiado e desviado por uma bomba palpitante e explosivamente emocional.
Não sentem falta dos heroísmos, das juras e duras provas de amor...  do sacrifício? Sim! Às vezes isso faz falta! Não somos mecânicos, apesar da imposição tecnologicamente social. 
Temos sangue! Vale à pena correr, agir como se fosse "a última vez". Último beijo, última vez que precisa ouvir aquela velha e repetida reclamação. A última vez que irá agarrar e possuir aquele corpo. A última vez que poderá se declarar da forma mais profunda e confessar o quanto aquele ser importa para você. 
A última vez que chora e quer sair gritando, correr para sua casa, deitar sob os cobertores e esperar o telefone tocar. A última vez que sonha com casamento, filhos e a casa de vocês. A última vez que poderão ir ao cinema, comer pipoca e rir sobre as pessoas na fila. A última vez que fica mais 5 minutinhos junto, só para se hipnotizar com aqueles olhos uma última vez. A última vez que sente... 
A última vez que o "amor" vale à pena.
Guilherme Marcus

quinta-feira, 5 de abril de 2012

60 anos

Desculpem ter demorado a postar isso, mas aconteceu muita coisa nova aqui em casa e eu esqueci. Este poema foi feito em homenagem à madrinha do Sr. Lupin, que completou 60 anos no mês passado...  Parabéns a ela!


Muitas coisas acontecem hoje,
muitas pessoas vem e vão.
Muitos têm objetivos alcançados...
Alguns felizes, outros não...

Mas esta data tem um 'algo mais'
como poucas outras durante a vida...
6 décadas, que felicidade nos traz,
vamos então celebrar o seu dia...

Sabemos que muito já caminhou até aqui
e que ainda há muito o que percorrer,
a beleza da vida é com quem se ama sorrir
e acima de tudo, poder viver...

Quando fazemos diferença pra alguém
um pouco de nós ele vai receber,
e é com orgulho que digo também
que temos um pouco do muito que é você...

Sempre disse que de palavras é feito o mundo
mas creio que errado agora estou,
pois com palavras descrevo quase tudo
mas impossível descrever quão querida se tornou...

Hoje tudo é felicidade, alegria,
pois aqui comemoramos o aniversário
de nossa melhor mãe, avó e tia...

Sr. Lupin e Guilherme Marcus.
 

© 2011 Hermit Modern |