Não entendeu?

sábado, 3 de março de 2012

Inspiração

Tento a encontrar em todo lugar
no dia, na noite, no céu, no mar...
me agarro ao desejo sórdido de vida
e à felicidade que encontro em seu olhar,
tocando sempre na mesma ferida
atrás de palavras pra rimar...


Métrica, coerência, precisão...
quem precisa disso tudo?
se minha fonte de inspiração
vem dela, vem do mundo...
Não preciso de nenhum tema,
posso rimar o que quiser.
Falar sobre a vida, sobre um dilema,
ter o mundo aos meus pés...

Numa madrugada silenciosa
vejo a caneta percorrer o papel...
riscando palavras com letras tortas
mas tão belas como as estrelas no céu...

Não falo mais de simples versos,
quero sentir na pele a poesia...
com a beleza dos poemas,
sugar a essência dessa vida...
Tudo pode ser inspiração,
desde que se saiba poetizar...
a vida em si não tem uma razão,
e assim, não há razão para rimar...

Rimar é vida, rimar é sentir dor,
é desabafar, é gritar de saudades,
é revelar ao papel seus mais íntimos desejos,
é mostrar ao mundo que ainda sente medo...
Rimar é traduzir em palavras sentimentos inexplicáveis,
falar sobre coisas que ninguém mais conhece,
falar ao mundo sobre mundos inexploráveis,
e mostrar realidades que ninguém mais percebe...

Assim surge a inspiração, em palavras soltas na cabeça,
poesia é organizá-las no papel e, com ou sem rimas,
fazer com que as pessoas, mais que percebe-las,
possam também senti-las...

Guilherme Marcus Moreira
 

© 2011 Hermit Modern |