Não entendeu?

sábado, 5 de novembro de 2011

Um poeta qualquer...

Hoje e amanhã, quase sempre
sua paz, conquista e rotina
sua realidade tão eminente
as suas coisas, a sua vida...

Noite fria, dia tão quente
nesses tempos quem diria
segue tranquilo, tão contente
não se lembra daquele dia...

Ser feliz é ser ninguém
pois assim, tanto faz toda a alegria
nessa vida ser alguém
é a maior, se não a pior, covardia...

Poeta inconsequente
que do irreal fez sua moradia
e um concreto som retinente
no fim de seu caminho se ouvia...

De uma caneta e de um papel...
e de nada mais ele precisa
e toda noite a encarar estrelas no céu
ele não dorme, não vive, não respira...


Guilherme Marcus Moreira

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Noite Insana de um Jovem

Por que nessa noite tão fria você vem me atormentar?
Infelizmente não vem sozinho, acompanhado de um fantasma que só quer me fazer lembrar.
Saia daqui seu maldito, vá embora Seu Fantasma, não tem outro pra perturbar? Leva essas lembranças, de um passado tão rude, quem é você pra me julgar?
Por que não desaparece? Some da minha cabeça, como faço pra te expulsar?
Você só vem no escuro, quando estou sozinho, o que você quer, na verdade, é brilhar!

Que cara é essa meu menino? Não fique triste ou sozinho, até parece que não sabe dançar.
Levante a cabeça garotinho, olha pra frente é o que eu digo, só precisa começar a andar.
É desse escuro que eu gosto, não precisa ver pra ser belo, e o que ilumina é esse luar.
Assim está confortável, despreparado como gosto, agora eu vou te amedrontar!
Não adianta se esconder, fechar os olhos ou se cobrir, não vale a pena tentar.
Não adianta se distrair, na sua cabeça eu estou, não vai conseguir disfarçar!

Mesmo na noite mais escura, que o fantasma tortura tanto, ele precisa te abandonar.
Pois sua vida continua, ao contrário dessa história, no outro dia você precisa acordar...

Sr. Lupin
 

© 2011 Hermit Modern |