Não entendeu?

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Flamel, esse antigo alquimista...

Vi num antigo livro algo diferente...
através de imagens demais cativantes
uma ideia que moldava minha mente,
me fiz ali estudante, leitor, errante...

Fiz do errado o certo em minha vida
e do certo um erro fatal,
dominei a mente até então impulsiva
e fui vaiado por parecer banal.

Ri de quem não sabia da verdade,
gritei ao mundo as leis do universo,
reparei mais nas pessoas, suas beldades
e fiz do surreal, enfim algo concreto.

Fui à guerra armado só de conhecimento,
travei batalhas com grandes sábios...
venci lutas, presenciei históricos momentos,
vi ideias mortas por todos os lados...

Voltei arrependido, mas sabia o que fazer:
livro escondido, visando o objetivo final...
dias a fio, a grande obra tentando entender,
como fazer da rocha algo filosofal?

Li, aprendi e segui o passo-a-passo
da 'Tábua de Esmeralda' antiga e rara...
e no fim entendi, mesmo que cansado,
o que o 'Rei Trismegisto' ali ocultava...

Ela e eu ainda vivemos nesse mundo
embora a massa não possa compreender:
todo alquimista é bruxo, sujo e imundo...
são os errantes que me fizeram crescer...

Sempre procurei respostas ao mar
mas hoje sei que elas estão no céu
e como lenda ainda temo ensinar...
O meu nome? Nicolas Flamel...



Guilherme Marcus Moreira

domingo, 4 de setembro de 2011

É engraçado, mas faz pensar...



Ela anda na rua, eu prefiro a calçada.
Ela gosta de morango e eu de chocolate.
Ela fala muita gíria, eu tento ser polido.
Ela curte de tudo um pouco, eu rock.
Ela sente muito calor, eu sinto muito frio.
Ela reclama que os amigos não aparecem...
Meus amigos reclamam que eu não apareço...

Ela queria logo se formar, eu queria não precisar.
Ela reclama dos pais, os meus reclamam de mim.
Ela sabe cozinhar, eu me viro bem com o miojo.
Ela é linda, eu dou pro gasto.
Ela às 19 horas janta,  eu faço um "lanche da tarde".
Ela tem estilo próprio e muita preguiça de escrever... 
Eu não sou lá essas coisas, mas não vivo sem...

Eu quando chateio logo me desculpo, ela, toda orgulhosa, espera eu decidir ficar junto, mesmo querendo também.

Eu a disse uma vez:

"Pra cada pessoa pra quem és pouco, existe uma pra quem és o mundo..."

"Os opostos se distraem... Os dispostos se atraem..."
Talvez sejamos os dois. Talvez isso seja amor... 

Guilherme Marcus Moreira
 

© 2011 Hermit Modern |