Não entendeu?

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Garota,


O que é essa dor que me assombra?
que me faz sentir um nada,
me sentir no mundo do contra,
sem olhar em seus olhos, sentir sua pele gelada.

Quantas vezes disfarcei, não me importar,
sem ter absolutamente nada pra me animar.
Quantas vezes disfarcei, tentei fingir,
que nem ligava, que você não estivesse aqui;

Garota, sua existência se uniu a minha.
sem você não posso mais respirar,
sua presença me faz perder a linha,
as batidas de seu coração posso acompanhar,

Quantas vezes me perdi por cíumes,
tantas outras quis gritar.
muitas vezes me tornei cúmplice,
de crimes e castigos, nada a declarar.

Te quero agora, te quero amanhã,
na noite fria e no frio da manhã,
no calor da tarde e no silêncio da madrugada,
no bater do sinal e nas tantas aulas matadas...








Guilherme Marcus Moreira

sábado, 28 de agosto de 2010

Poesia...


A poesia é o ar,
a poesia é o céu,
algumas vezes com gosto de mar,
outras vezes,  gosto de fel.

O amor é a poesia
e a poesia é o amor,
o amor que sem anestesia,
instaura em mim a dor.

A poesia é a mãe,
a poesia é o pai.
A poesia é o irmão
ou a irmã, tanto faz.

A poesia é o segredo
e o vazio que há em mim.
A poesia é o medo
do começo de nosso fim.

A poesia é o ódio,
e a poesia é a raiva,
faz do seu mundo, o nosso,
e da minha vida, o nada...





        Guilherme Marcus Moreira

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

O quão doentia pode ser a mente humana?

...

O Ser humano é  a atual espécie dominante no planeta...
Essa dominância é a causa de todos os problemas e desastres não naturais.

O ser humano é o único ser consciente, e isso implica em um aumento desnecessário de seu ego.
Todo esse ego tem desde cedo acabado com vidas, sonhos, esperanças...

As coisas poderiam ser diferentes, e seriam, se não fosse consciente a mente humana... O ser humano seria somente mais um no reino animal.

Não haveriam guerras, não haveriam obsessões idiotas, nem pessoas querendo o que não podem ter.

A estupidez humana, veio de brinde, junto da consciência...
Assim como o egoísmo e o desejo de posse e poder...

O quão longe as pessoas são capazes de ir por futilidades ?
O quão longe o ser humano é capaz de chegar com sua mentalidade doentia e egoísta ?

A tendência é piorar... As próximas gerações serão ainda mais obsessivas e egoístas...

E as armas químicas continuarão a ser fabricadas, cada vez com mais freqüência...
e as guerras destruirão cada vez mais famílias, amizades, paixões...

E só então o ser humano irá perceber o mal que está causando a si próprio....
E tudo isso por que ?, Para que ? Qual é a vantagem que se ganha com tudo isso ?

Nenhuma...
Exatamente nada, ganhará apenas a destruição em massa do ser humano...

...

O animal mais inteligente de todos... Ou será que não?



Guilherme Marcus Moreira/Ana Luiza Cícero

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Com o tempo...

...


Com o tempo a gente aprende que nem tudo que mais gostamos dura para sempre; a reconhecer nossos verdadeiros amigos; que há uma grande diferença entre amor e paixão.... e que as vezes nos iludimos com coisas tolas. 
Que as pessoas podem mudar, que o para sempre não existe, que para seus sonhos se realizarem basta você acordar e fazer com que eles sejam possíveis... 
Que algumas feridas nunca se cicatrizam. Aprendemos a dar valor para quem merece,  que o tempo não pode voltar  atrás, que as vezes um simples eu te amo não quer dizer nada e que o mundo não é tão colorido como achamos...


Ana Luiza Cícero.

Ódio...


O que seria o ódio?

Seria simplesmente não gostar de tudo e todos?
Ou quem sabe, xingar tudo e todos com a intenção de ofender...

... não.
 O ódio é mais que simplesmente desgosto.

É como se todo o seu ser quisesse apenas uma coisa, e essa coisa estivesse inacessível,
Como se em todo o mundo, uma única coisa te incomodasse, e você nada pudesse fazer para mudar isso...

... Apenas odiar.


Você pode amar e odiar, são opostos que ao mesmo tempo se encaixam como sinônimos. Como dois lados da mesma moeda. 


Uma questão de semântica...  Talvez...

As pessoas odeiam tudo, o ser humano odeia tudo, inclusive a ele mesmo. 
Já reparou como as pessoas arranjam desculpas para brigar ?
Em como adoram se desentender e mostrar que tem opinião formada e diferente dos outros?

Não que isso seja errado... 
Ter sua própria opinião, assim como demonstrá-la, é essencial para acabar com o tédio do dia-a-dia. Mas o exagero me leva a crer que usam isso como objeto de discórdia social.


Talvez não exista escapatória para o ódio alienado da atual geração.
O ódio foi afetado pelo tempo, não é mais o sentimento solitário dos críticos e filósofos rejeitados pela população.



... não é mais ódio.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

Amor, palavra confusa

Amor...


O que seria isso? Por que uma palavra tão simples e tão falada pode expressar algo tão confuso?

Você pode achar que já sentiu( ou sente )isso por alguém , mas são poucos os que já conseguiram realmente demonstra-lo.

Sinceramente eu nunca senti... Não pense que que estou falando de uma paixão qualquer, dessa que todos sentem a todo tempo, falo de amor mesmo!

Não consigo compreender esse sentimento, parece ser muito confuso, ou muito simples, mas ele não entra em minha cabeça.
As vezes penso que só quando sentir vou compreende-lo, só quando parar de fugir dele...
Só tenho uma dúvida quanto à isso...



... estarei eu preparado?








Euler.
 

© 2011 Hermit Modern |