Não entendeu?

sábado, 31 de julho de 2010

DIGA NÃO ÀS DROGAS!!!

Esse texto foi uma dica que uma de nossas seguidoras me deu e eu achei bem legal, escrito por Luiz Fernando Veríssimo, uma grande realidade, além de ser bem engraçado também...


...

"Tudo começou quando eu tinha uns 14 anos e um amigo chegou com aquele papo de "experimenta, depois, quando você quiser, é só parar..." e eu fui na dele. Primeiro ele me ofereceu coisa leve, disse que era de "raiz", "natural" , da terra", que não fazia mal, e me deu um inofensivo disco do "Chitãozinho e Xororó" e em seguida um do "Leandro e Leonardo". Achei legal, coisa bem brasileira; mas a parada foi ficando mais pesada, o consumo cada vez mais freqüente, comecei a chamar todo mundo de "Amigo" e acabei comprando pela primeira vez.

Lembro que cheguei na loja e pedi: - Me dá um CD do Zezé de Camargo e Luciano. Era o princípio de tudo! Logo resolvi experimentar algo diferente e ele me ofereceu um CD de Axé. Ele dizia que era para relaxar; sabe, coisa leve... "Banda Eva", "Cheiro de Amor", "Netinho", etc. Com o tempo, meu amigo foi oferecendo coisas piores: "É o Tchan", "Companhia do Pagode", "Asa de Águia" e muito mais. Após o uso contínuo eu já não queria mais saber de coisas leves, eu queria algo mais pesado, mais desafiador, que me fizesse mexer a bunda como eu nunca havia mexido antes, então, meu "amigo" me deu o que eu queria, um Cd do "Harmonia do Samba". Minha bunda passou a ser o centro da minha vida, minha razão de existir. Eu pensava por ela, respirava por ela, vivia por ela! Mas, depois de muito tempo de consumo, a droga perde efeito, e você começa a querer cada vez mais, mais, mais . . . Comecei a freqüentar o submundo e correr atrás das paradas. Foi a partir daí que começou a minha decadência. Fui ao show de encontro dos grupos "Karametade" e "Só pra Contrariar", e até comprei a Caras que tinha o "Rodriguinho" na capa.

Quando dei por mim, já estava com o cabelo pintado de loiro, minha mão tinha crescido muito em função do pandeiro, meus polegares já não se mexiam por eu passar o tempo todo fazendo sinais de positivo. Não deu outra: entrei para um grupo de Pagode. Enquanto vários outros viciados cantavam uma "música" que não dizia nada, eu e mais 12 infelizes dançávamos alguns passinhos ensaiados, sorriamos fazíamos sinais combinados. Lembro-me de um dia quando entrei nas lojas Americanas e pedi a coletânea "As Melhores do Molejão". Foi terrível!! Eu já não pensava mais!! Meu senso crítico havia sido dissolvido pelas rimas "miseráveis" e letras pouco arrojadas. Meu cérebro estava travado, não pensava em mais nada. Mas a fase negra ainda estava por vir. Cheguei ao fundo do poço, no limiar da condição humana, quando comecei a escutar "Popozudas", "Bondes", "Tigrões", "Motinhas" e "Tapinhas". Comecei a ter delírios, a dizer coisas sem sentido. Quando saia a noite para as festas pedia tapas na cara e fazia gestos obscenos. Fui cercado por outros drogados, usuários das drogas mais estranhas; uns nobres queriam me mostrar o "caminho das pedras", outros extremistas preferiam o "caminho dos templos". Minha fraqueza era tanta que estive próximo de sucumbir aos radicais e ser dominado pela droga mais poderosa do mercado: a droga limpa.

Hoje estou internado em uma clínica. Meus verdadeiros amigos fizeram única coisa que poderiam ter feito por mim. Meu tratamento está sendo muito duro: doses cavalares de Rock, MPB, Progressivo e Blues. Mas o meu médico falou que é possível que tenham que recorrer ao Jazz e até mesmo a Mozart e Bach. Queria aproveitar a oportunidade e aconselhar as pessoas a não se entregarem a esse tipo de droga. Os traficantes só pensam no dinheiro. Eles não se preocupam com a sua saúde, por isso tapam sua visão para as coisas boas e te oferecem drogas.

Se você não reagir, vai acabar drogado: alienado, inculto, manobrável, consumível, descartável e distante; vai perder as referências e definhar mentalmente.

Em vez de encher a cabeça com porcaria, pratique esportes e, na dúvida, se não puder distinguir o que é droga ou não, faça o seguinte: Não ligue a TV no Domingo a tarde; Não escute nada que venha de Goiânia ou do Interior de São Paulo; Não entre em carros com adesivos "Fui ... "

Se te oferecerem um CD, procure saber se o suspeito foi ao programa da Hebe ou se apareceu no Sabadão do Gugu; Mulheres gritando histericamente é outro indício; Não compre nenhum CD que tenha mais de 6 pessoas na capa; Não vá a shows em que os suspeitos façam gestos ensaiados; Não compre nenhum CD que a capa tenha nuvens ao fundo; Não compre qualquer CD que tenha vendido mais de 1 milhão de cópias no Brasil; e Não escute nada que o autor não consiga uma concordância verbal mínima. Mas, principalmente, duvide de tudo e de todos. A vida é bela! Eu sei que você consegue! Diga não às drogas."

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A droga da solidão...




Fim de madrugada...
Só eu e meu copo de café...
Ouço o ponteiro do relógio cumprindo sua trajetória.
a essa hora, todos ainda dormem...

 (um pouco do café)
...

Lá fora, carros passam na rua, conforme os minutos passam no relógio.
Como se não bastasse, cachorros latem em tom audível em todo o quarteirão, tirando o sono dos que nunca dormem...

Vejo pela janela as estrelas que iluminam a noite...

...  juntas.

Respiro fundo...   tento não pensar em nada.

... tarde demais, a viagem já começou.



(...) porque não precisamos de ninguém em momentos assim,
Apesar de sempre pensarmos em alguém...
Não é como pensar em um amor, não...  é diferente...
É como pensar em alguém que ainda não temos, alguém que nunca vimos.
...
Para um anjo é difícil iluminar a noite, estando só...  mas você consegue...
“você é incrível”...  Você é como a lua, um reluzente anjo, solitário e incrível (...)

(café)

...

(o vapor que sai do copo, ruma em direção à janela aberta)

(...) Será a solidão uma droga tão poderosa quanto o amor?

...

Não...  é diferente...

(...) quando alguém está só, liga a TV ou outra fonte de entretenimento...
Os mais loucos vão tomar café na varanda,  ou coca com doritos na esquina...
... mas isso não vem ao caso. 

Quando alguém está só, pensa no passado, pensa no futuro...
... mas nunca no presente.

Porque está só...

(outro gole de café)

(...)  é como aquela estrela, lá em cima, isolada de todas as outras...
Ela está só, sozinha não pode fazer nada, está longe demais para iluminar alguma coisa aqui, e ela não vive do presente, ela vive do passado, pois certamente já não existe mais, sua luz está atrasada, está só...

(... nós só atingimos o pico da lucidez, na ilucidez, e, muitas vezes... só amamos na solidão.)


...

(barulho...)

(... algum bêbado quebrando garrafas na rua.)

...

O café já se foi...
... mas o vapor ainda sai do copo vazio e aquecido...
só...  rumo às estrelas...


(...)

(...)  porque estar só, é ao mesmo tempo não estar, é estar consigo mesmo, com seu interior, com sua consciência ativa.
É gritar e não ser ouvido, é como uma fusão de todos os sentimentos (amor, amizade, ódio...), na ausência de alguém.

(...) é na ausência desse alguém que tudo começa... é quando a solidão mostra realmente a que veio... é quando toda sua energia, todos seus sentimentos, toda sua vitalidade se esvai pelos poros de seu corpo.      

(outro barulho)

... alguém indo até a cozinha...

O céu já começa a clarear...
as estrelas já não estão todas lá...
... estão se abandonando ( e nos abandonando.)

Sem mais viagem por hoje...
Os cachorros se calaram...
... fim de outra madrugada turbulenta...
... o sono chega...

(...)

Agora posso viajar em sonhos...
...  não mais só...

(...)



quinta-feira, 15 de julho de 2010

Projeto Hermit em video!

Eaew galera! Estamos pensando em um projeto de montar um vlog do Hermit Modern, e precisamos de seu apoio e ajuda, para isso você só precisa postar aqui assuntos para falarmos, qualquer coisa!

Participem!

Ahh! Mesmo que isso dê certo continuaremos com os textos aqui.

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Anti-amor....

...

Perceber seus tristes olhos em uma manha gélida,
Ferir você com minhas decisões egoístas, 
ver minhas emoções se misturarem, 
Transfigurar em meus atos extravagantes, junto de minhas indecisões... 
Se você quisesse minha atenção, não correria para meus braços?


Algumas horas durante o dia quero gritar para acordar,
Sonhando me sentir vivo de novo, como quando estávamos juntos...
Por que você passou na minha vida?
Somente para me fazer sentir o gosto de morte, 
Todos os dias quando lhe vejo passar por mim.

Sua gentileza me dói, mais que seu desprezo,
Você me crucifica a cada dia, 
mostrando que sente por mim, algo corriqueiro e casual,
Uma vontade que vem e passa...
Enquanto eu me desespero por você.


Me corta todos os dias me fazendo sangrar...
Alimentando o que sinto por você.
Te sentir é dolorido, é o anti-amor e a sensação
é de um prazer gélido em meio ao medo da morte...


(...)  Será esse o prazer insaciável, perante um fim inevitável?


Guilherme Marcus Moreira

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Uma noite silenciosa...

Já é tarde, e o sono não veio. O passado veio a tona, a mente vazia. No que penso primeiro? Amizade...
Pelo meu dicionário quer dizer: afeição; simpatia; amor; dedicação; benevolência.
Penso em falar algo difícil sobre isso, mas algo melhor me vem à cabeça; olhar o que é cada uma dessas coisas.

Afeição? Nada mais que amizade dita.

Simpatia: inclinação, recíproca... ahh! Quer saber? Cansei!

Vou falar de meus amigos, não aqueles que andam comigo no grupinho da escola, esses são meus colegas, digo os que estão comigo sempre do meu lado, que apóiam, me dão conselhos, me xingam quando mereço. Esses que eu ajudo quando precisam de algo, dou tapinhas no ombro quando estão chateados, mas tento não chorar perto deles para não demonstrar fraqueza.

Agora me vem o silencio, há barulho dentro da casa, mas dentro de mim, só silencio.

Vazio...

Essa palavra me traz más lembranças, do tempo em que não tinha amigos, só colegas... e isso nunca foi o suficiente pra mim. Preciso deles, pessoas em quem confio.
Por que até mesmo quando você não quer ser notado, espera que isso aconteça? Por que necessitamos de atenção? Por que, quando o assunto é aquele ano, sempre mudo de assunto? Aquela época foi tão ruim assim?

Computador ligando... deve ser meu irmão, só pode ser ele. Agora, todos já foram para seus quartos. E o barulho de um computador é o que há de diferente em minha mente, diferente de minha voz.
Até a voz em minha mente está triste, mas eu estou triste?
Tenho de fazer algumas escolhas, tentarei achar as respostas para minhas perguntas outra noite silenciosa, pois minha mente se cansa, preciso falar, vou encher meu irmão de palavras de novo, mesmo sabendo que ele não vai prestar atenção.

Por fim, é isso, obrigado a todos.

domingo, 11 de julho de 2010

"The weight of Death..."

Qual o peso de suas decisões? Qual é o peso da sua vida? Com que intensidade você vive? 

Você já deve ter parado pra pensar e simplesmente se deu conta de que tudo, um dia, simplesmente irá morrer...
... 

Seus amigos, seu cachorro, eu, este blog, você, aquele copo de café que está em cima da mesa... tudo, em um determinado ponto no futuro, simplesmente vai deixar de existir. Não me refiro a questões metafísicas. Uns podem afirmar que não deixaremos de existir, ou que se estamos vivos, não se pode afirmar que iremos morrer, etc...
Mas não é disso que estou falando. 

Estou falando do valor de sua vida, e do valor de suas decisões. 

Qual é o peso que você dá a esta experiência que é simplesmente única a cada instante?
Vida e morte são lados opostos de uma mesma coisa. E é na oposição que os opostos se revelam. O feio e o belo, a miséria e a fartura, a tristeza e a felicidade, o amor e o ódio... Cada um dos opostos se revelam em contraponto com seu extremo. Se todos nós vivêssemos na miséria, sem nunca ter conhecido a fartura, ela não se revelaria, nós nunca saberíamos o que é fartura, ela simplesmente não existiria.
Se todos vivessem em apenas um dos extremos, qualquer que seja, sem conhecer o outro, então o outro extremo não se revelaria... 

E é por isso que a vida se revela na hora da morte.
Se você conhecer o valor da morte, passará a conhecer o valor da vida. 

Lembre-se que você irá morrer. Tenha o peso da morte consigo a cada refeição, a cada aventura vivida, a cada hora passada na frente do computador, a cada cafézinho, a cada paixão e amor... 

Não estou falando para você não fazer o que deve fazer, ou o que, em tese, é perda de tempo. Também não confunda com não fazer o que deve ser feito. Apenas se pergunte se é isso o que você realmente quer/deve fazer. E se você simplesmente for obrigado a fazer algo, certifique-se de que está fazendo direito e/ou da forma que deveria ser feito.


Aproveite cada momento para fazer algo de proveitoso, até mesmo quando não estiver fazendo nada. 
Este é o peso da morte; Aproveitar cada gota de vida que se esvai, com tal intensidade e valor, que cada gota de vida será apreciada como se fosse a última... 



Por hoje é só...

quinta-feira, 8 de julho de 2010

O Tempo...




 O tempo passa... 

...e com ele vão junto as pessoas e as lembranças, os amigos mudam, as coisas mudam, tudo muda, você se vê rodeado de novas pessoas, e nem se da conta de que as antigas amizades já se foram.

 Chega um momento de sua vida, onde você não tem mais ninguém, tem somente a si mesmo, e é justo nesse momento que você para pra refletir e se lembrar das coisas boas que viveu...

  Por exemplo, os primeiros amigos. 
Aqueles amigos de infância, e aquela garotinha da sala ao lado, aquela que você dizia que um dia seria sua esposa spoakpsokaposkpoaskop'.

  Logo depois se lembra dos melhores momentos de sua vida, ao lado dos melhores amigos, os melhores sentimentos, seu primeiro amor, primeira namorada, aquelas pessoas que você conheceu na adolescência, pessoas essas que você disse em vão que iria passar o resto da vida junto delas. 

  Mais tarde se lembra da galera da faculdade, juventude a todo vapor, todas aquelas viagens e passeios. Se lembra também das suas maiores besteiras, tipo aquela guria que você engravidou por causa de um descuido, e que por sorte perdeu o bebê te livrando a cara.

  E como se não bastasse se lembra da sua fase de adulto, os seus interesses mudaram completamente, os amigos não são mais os mesmos, tudo mudou, agora você se preocupa com seu emprego, mulher, filhos, contas, etc...

  Então você se olha no espelho e se vê velho, vivendo de lembranças, sem amigos, sem colegas, rodeado de netos e talvez até filhos mais novos, que vão viver coisas parecidas para num futuro distante, também viverem de boas lembranças...

...


Guilherme Marcus Moreira

terça-feira, 6 de julho de 2010

Sr. Lupin na equipe, e o preconceito contra RPG


E então galera!

Vou estrear aqui no blog com um assunto que me interessa, o preconceito contra o RPG.
Tipo, tem noticias que passam na TV as vezes sobre pessoas matando pessoas por causa de um joguinho do demo chamado RPG... as pessoinhas vêm, jogam com UMA pessoa ( sério, um monte de gente joga com uma pessoa só, faça-me o favor ) e a MATAM! Matam por causa de um jogo, porque em alguma hora do jogo deu GAME OVER pra ela e ela deve morrer, já que são as regras...

Agora me diz: Você jogaria um jogo em que a regra é: se perder, você morre, SEM QUE ganhe nada com isso além de diversão?? Pelo amor de deus gente, isso não existe, pra mim tem duas opções: ou os caras fizeram uns pactos cabulozos e colocam a culpa no RPG, ou a imprensa está tentando fuder com o nome do jogo, porque eu não acho outras explicações.

Eu sei que não tem pesquisa nenhuma no que acabei de jogar aqui, mas essa é a intenção, eu só estou colocando coisas que a própria imprensa nos manda, jogo isso à 6 anos com várias pessoas diferentes, e nunca vi nada como uns matando outros por causa disso.

A imprensa manda no Brasil, tudo o que eles falam o povo acredita, e isso me deixa puto de raiva!!! Eles acusam tudo e todos, desde que seja a minoria em relação ao todo, para que as pessoas que não tem conhecimento sobre o assunto acreditem neles!!

Por fim, é isso, obrigado à todos.

sábado, 3 de julho de 2010

Viagem errada...

Atenção: O texto a seguir não faz nenhum sentido...

...

   ...

Madrugada de sexta pra sábado.

O barulho do relógio incomoda.

Enquanto os anjos abençoam o sono dos inocentes...

... o demônio não me deixa dormir.

A cidade está cheia de estrelas...

Mas o céu estrelado, é pura escuridão...

...

Roubaram as minhas pernas...

Com esforço homérico, rastejo até a esquina.

Minha asperina: Coca com Doritos.

Lembro-me de uma conversa com uma pessoa que conheço. Conversas que vão... e vem:

...porque quando você ama, você tem inveja, você quer transar, você tem ciúmes... Se uma pessoa chega perto de alguém com namorado, e a namorada percebe que ele ta dando bola, logo tem ciúmes, e já começa a odiar a pessoa que chegou...

Ao que penso, mas não digo: - Quem ama quer transar? Então me diz aqui... você quer trepar com seu pai? Você quer trepar com a sua mãe? ... Um dos dois quer trepar com você???

Sorrio... balanço a cabeça, mudo de assunto...

...

Não... Já pensei nisso o bastante. Amor não tem nada a ver com sexo. Sexo é desejo. Amor não tem nada a ver com ciúmes ou inveja. Ciúmes e inveja são... desejo de posse. Amor é amor. Sentimento completo em si mesmo. É querer bem. É se sentir feliz, em ver o outro feliz. Só o sorriso... apenas a convivência...

Pego mais um Doritos Queijo Nacho. Encho a xícara de café com Coca.

Silêncio...

Na noite, um gato mia.

... o demônio dá risadas...

Aquela conversa se vai. Outra conversa volta. Escutei essa tese engraçada outro dia... outro conhecido:

... é que nem nesse filme que vi... é como uma guerra. Para se vencer uma guerra, a melhor estratégia é vencer o inimigo por dentro. O inimigo perde pra si mesmo. Foi assim com a queda de Roma. Foi assim em Cuba... Instaure uma guerra civil dentro do próprio país, e ele estará desestabilizado para enfrentar um ataque de fora... Agora, pega essa metáfora pro indivíduo. É a mesma coisa. Você quer abalar alguém? Você só vai conseguir se o cara estiver em guerra civil dentro de si mesmo. Ele perde a batalha pra ele mesmo. O ataque, o chingo, vem de fora e pega ele em cheio. Quem tem convicção nessa vida, quem está bem consigo mesmo, não se atinge por ataques de fora...

...

Alguém aí falou em aspirina?

Imagino que o amor é uma cápsula, com algum tipo de coquetel bem forte dentro. Ou melhor... o mais forte de todos.

Se você toma essa pílula, ela vai mexer com todo o seu ser. Inteiro, por completo... tão forte e tão profundamente, que irá mexer com todos os seus sentidos...

... todos seus sentimentos...

... Amar... e fazer amor com quem se ama (e se deseja)...

que tipo de droga pode superar isto?

Amar... e desejar... e não ter...

Que tipo de droga pode superar isto?????

É...

... Viagem errada.

Você toma a pílula do amor, e acorda todos os exércitos que existem dentro de você: Raiva, desejo, vontade... luxúria.

Já diria alguém por ai, que não me lembro quem é: (quer saber quem é? Procure no google...)

"Quer paz? Então, prepare-se para a guerra."

...

    ...

No fim das contas, não é o Amor que faz as pessoas sofrerem...

É o desejo de ter!
... e não ter.

Não fosse pelo amor solitário que sentisse, seria incrivelmente prazeroso ver a pessoa amada feliz, mesmo que com outra pessoa...

Como o amor de Pai. Como o amor de Mãe... que quer bem, e não deseja.

Mas o amor com desejo... não é o amor puro. Ele não consegue ser completo, vendo a pessoa amada ser feliz, com outra pessoa...

Amar... é realmente nobre...

É simplesmente Humano.

E por ser tão humano, tão forte e tão completo... Mexe profundamente com a gente.

Acorda coisas que estão lá no fundo... “demônios” (atenção para as aspas), novos, ou antigos que ressurgem...

...

    ...


Mas não se engane. É sublime amar e ter a oportunidade de consumar o desejo no amor.

Não existe necessidade de repressão dos desejos.

O que existe, é o alerta: Cuidado, o amor é uma droga. (Viagem certa ou errada?)

Se você ama e deseja, e te querem de volta: Dê boa noite aos Anjos.

Se você ama e deseja, e não te querem de volta... Dê bom dia ao Demônio...

...venda sua alma e prepare-se para a guerra...

Contra os seus próprios demônios.



...

O Doritos e a Coca se foram.

As estrelas da cidade vão se apagando...

Lá se vai o céu de escuridão.

A Guerra acabou. Os demônios também se foram... (mas irão voltar...)


...

Consegui minhas pernas de volta. (Em pedaços. Mas estão de volta).

E por incrível que pareça... O amor ficou.

Posso ouvir o grito das profundezas... Mas sei que estão em seu devido lugar. Tudo tem sua hora... Tudo tem o seu lugar.

...

As conversas se vão... Nenhuma mais vem.

É.

Sem mais viagem errada.

O efeito da droga, passou.

...

Guardo as outras pílulas para um outro dia.


A noite se vai...

Guardo as outras pílulas para um outro anjo...

...

O dia nasce outra vez...

...

    ...


 

© 2011 Hermit Modern |